Ministério Púbico investiga prefeito de Caucaia por perseguição a diretores de escolas

Segundo relatos, o prefeito obrigava funcionários municipais a votar em sua esposa

Em inquérito civil público aberto nesta terça-feira, 21, o MP quer apurar se Naumi Amorim exonerou educadores que não declararam apoio à candidatura de Érika Amorim a deputada estadual


O Ministério Público do Ceará (MP-CE) instaurou inquérito civil público contra o prefeito de Caucaia, Naumi Amorim (PSD), para apurar suposta perseguição política de diretores e coordenadores de escolas do município para fins eleitorais. Segundo a denúncia, ele teria pressionado educadores para alavancar a candidatura da esposa, Érika Amorim (PSD), a deputada estadual em 2018.

“Comprovou-se que os promovidos (Naumi e Érika) fizeram uso de cargos comissionados vinculados a Secretaria de Educação de Caucaia para fins de perseguição política de funcionários públicos que não declarassem apoio e voto a candidatura”, diz portaria da promotora Margarida de Carvalho Barbosa, publicada no Diário Oficial do MP-CE desta terça-feira, 21.

Naumi e Érika rejeitam acusações

Em nota, a Prefeitura de Caucaia afirmou que não houve qualquer comprovação de irregularidades ou de vantagem à então candidata Érika Amorim no caso.

Ex A Prefeitura de Caucaia também destaca, através de sua assessoria de imprensa, que irá recorrer do caso em todas as instâncias cabíveis.